Reciclagem de Efluentes Industriais e Chorume
Solução de Tratamento de Efluentes Sanitários e Caixa de Gordura
Matéria Orgânica Transforma

Tratamento de efluentes e reciclagem de resíduos: descubra as vantagens para a indústria alimentícia

Publicado em 12-11-2020 16:00

 Tratamento de efluentes

 

Responsável por produzir itens essenciais para nossa sobrevivência, a indústria alimentícia torna o Brasil o segundo maior exportador de alimentos industrializados do mundo, representando 9,6% do PIB brasileiro, segundo relatório da ABIA - Associação Brasileira da Indústria de Alimentos.

 

Em contrapartida, 58% de toda a produção agropecuária é processada nesta indústria, o que acaba por gerar um considerável volume de efluentes e resíduos sólidos em sua linha de produção. Dentre os principais, estão: produtos fora de especificação,  restos de alimentos, bagaços e cascas de vegetais e frutas, água de lavagem de equipamentos, águas residuais, lodo de ETEs e STARs, líquidos de caixas de gordura, efluentes biodegradáveis, entre outros. Nesse contexto, assim como em outros segmentos, os efluentes oriundos das atividades operacionais e produtivas do setor precisam ser tratados antes de retornarem ao meio ambiente ou reaproveitados como reúso. 

 

Os desafios das indústrias alimentícias com seus efluentes e resíduos sólidos

 

Como cada resíduo possui características específicas, com diferentes concentrações de poluentes, na maior parte dos casos, devem ser transportados separadamente.

Armazenamento

Os tipos de resíduos variam de acordo com a matéria-prima e agregantes utilizados na produção. Analisar, classificar e quantificar  é muito importante para definir o local do armazenamento e a escolha do equipamento para acondicionamento.

 

Um local adequado de armazenamento otimiza os procedimentos operacionais, atende à legislação ambiental e normas de segurança, minimiza custos com transporte para coletas em grandes volumes. Os resíduos devem estar armazenados em local apropriado, identificados e classificados. 

 

A norma técnica NBR 11.174, fixa as condições exigíveis para obtenção e condições mínimas necessárias ao armazenamento de resíduos classes II-não inertes e III-inertes, de forma a proteger a saúde pública e o meio ambiente.

Transporte

Outro desafio enfrentado pelas empresas do setor de alimentos é o transporte adequado dos resíduos. Em situações em que é exigido o tratamento offsite, ou seja, em instalações fora da empresa, o gerador deve ter cuidado nos procedimentos exigidos para um transporte correto e seguro. 

 

Para a coleta e transporte, a empresa responsável deve possuir, ao menos, Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) e licenças de autorização dos órgãos ambientais de cada Estado, já o gerador deverá possuir a autorização de movimentação do resíduo. Como exemplo, no Estado de São Paulo o documento de autorização é o CADRI (Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental), emitido pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB). Com este certificado, a empresa geradora poderá fazer o transporte dos resíduos até a receptora.

Tratamento

O terceiro desafio é a fase final com a escolha do tratamento adequado. São duas as alternativas a serem consideradas: a modalidade onsite, por meio da construção de uma ETE (Estação de Tratamento de Esgoto), ou tratamento offsite, método indicado para empresas que não têm espaço para instalações próprias ou que não desejam investir na construção e operação de uma ETE que depende da contratação de uma empresa terceirizada.

 

Terceirização do tratamento dos efluentes: uma solução para otimizar as operações

 

As causas do tratamento inadequado já são de conhecimento de muitas empresas; e dentre as opções existentes para lidar com seus passivos ambientais, as organizações podem contar com parceiros especializados que se dedicam a coletar, tratar e destinar os resíduos seguindo os padrões estabelecidos pela legislação. Considerada uma alternativa eficiente no processo de gestão, a terceirização ainda contribui em outros aspectos, como:

 

Otimização das operações: todas as etapas do processo de tratamento são transferidas para o parceiro, o que possibilita à empresa direcionar sua atenção e recursos humanos as atividades core do negócio. 

 

Atendimento as principais leis e políticas ambientais: entre as referências predominantes estão a NBR 10004, que estabelece a classificação dos resíduos sólidos e os riscos potenciais ao meio ambiente; as Resoluções Nº 357 e N° 430 do CONAMA,  que regulamentam as condições de lançamento de efluentes nos corpos  d’água; e a adequação à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pelo Governo brasileiro através da Lei 12.305/10.

 

Redução de custos: dispensando a necessidade de investimentos em projetos e instalações de ETEs próprias, além de custos com a contratação, gestão e aprimoramento de pessoas, a terceirização é uma alternativa mais econômica quando comparada às opções que consistem no tratamento dentro da planta da empresa.


Valorização ambiental: ações que envolvem o reaproveitamento e cuidado com o meio ambiente, como o tratamento dos efluentes , expressam a responsabilidade ambiental da organização e facilitam o alcance das metas de reciclagem; um indicador cada vez mais relevante para milhares de consumidores conscientes que valorizam as práticas sustentáveis.

 

    Leia mais:

 

Compostagem de resíduos alimentícios: uma vantagem que faz diferença

 

A Compostagem de resíduos alimentícios se configura como uma das alternativas ambientalmente mais seguras e sustentáveis na gestão ambiental. Atendendo à legislação vigente como a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a prática ainda contribui para um ciclo de valorização e reaproveitamento. 

 

A destinação de materiais como cascas de frutas, restos de vegetais, produtos alimentícios vencidos ou descartados, lodos sólidos de ETEs e ETAs, materiais filtrantes agroindustriais e outros resíduos orgânicos para a compostagem, permite a transformação destes em produtos ricos em nutrientes para o solo, como fertilizantes orgânicos, além de evitar a poluição das águas, do solo e do ar; e ainda diminuir a pressão sobre os aterros sanitários. 

 

Pioneira no setor, a Tera Ambiental conta com uma planta  coberta licenciada pelo órgão ambiental CETESB e MAPA, com área de 30.000 m2 dedicada ao processo de compostagem termofílica.

 

Para conhecer um pouco mais sobre as vantagens geradas pela Compostagem e a importância do correto tratamento dos efluentes e resíduos gerados pela indústria de alimentos, baixe agora o nosso material dedicado ao setor.

 

Indústria Alimentícia

Tópicos: tratamento de efluentes, tratamento de resíduos off-site

Deixe seu comentário

 

Receba nossos artigos

Busca Por Artigos

biblioteca-digital-tera-ambiental
New call-to-action
New call-to-action
Descomplicando o tratamento de efluentes

Siga Nossas Páginas Nas Redes Sociais

Últimos Artigos

Artigos mais acessados