Reciclagem de Efluentes Industriais e Chorume
Solução de Tratamento de Efluentes Sanitários e Caixa de Gordura
Matéria Orgânica Transforma

Tratamento de chorume será essencial com PNRS

Publicado em 13-05-2013 17:38

Tratamento de chorume será essencial com PNRS

Imagem: Estação de Tratamento de Esgotos de Jundiaí (ETEJ) trata chorume de aterros sanitários.

 

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) trará muitas mudanças como já comentamos em alguns artigos, por exemplo, os municípios terão de ter um plano de gestão de resíduos, as empresas terão de pensar em logística reversa, os descartes de resíduos em aterros sanitários só poderão ser realizados quando não puderem ser reciclados e os lixões deixarão de existir até 2014 de acordo com a lei.

 

Segundo especialistas no assunto, o fechamento dos lixões e a criação de novos aterros sanitários, vai gerar uma grande demanda de tratamento de chorume e esse é o elo da cadeia que mais precisa evoluir. Na Europa, por exemplo, o tratamento de chorume representa atualmente até 25% do custo de operação do aterro sanitário.

 

Imagem: Estação de Tratamento de Esgotos de Jundiaí (ETEJ) trata chorume de aterros sanitários

chorume é um passivo altamente poluente e mesmo após a desativação do aterro esse resíduo continua sendo gerado pelo processo de degradação dos materiais alí depositados e a prática de acompanhamento e retirada de chorume para tratamento continua. A Resolução 404 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) estabelece: “XVI - apresentação de projeto de encerramento, recuperação e monitoramento da área degradada pelo(s) antigo(s) lixão(ões) e proposição de uso futuro da área, com seu respectivo cronograma de execução.”

 

Veja o caso de dois lixões de Campinas, que mesmo desativados há muitos anos ainda têm acompanhamento no monitoramento na retirada de chorume. O lixão localizado próximo ao bairro Jardim Satélite Íris 1, segundo relatório da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), está contaminado por descartes e infiltrações e desde seu fechamento, em 2001, precisa ser monitorado, pois contém contaminantes, como solventes halogenados, materiais microbiológicos e inorgânicos.

 

Já o lixão do Parque Santa Bárbara funcionou até 1992 e no local são verificadas as condições do solo, da água e do ar, feitas medições do gás metano e do chorume de líquido tóxico produzido pela decomposição dos resíduos e rejeitos enterrados.

 

O chorume de aterro classe 2 deixa de ser tóxico quando passa pelo tratamento biológico de efluentes e pode até ser reaproveitado inclusive como água de reúso, com aplicação em processos industriais.

 

A Tera Ambiental recebe e trata o chorume de diversas prefeituras e aterros sanitários de todo o estado de São Paulo. Localizada em Jundiaí, a ETEJ - Estação de Tratamento de Esgotos de Jundiaí - operada pela CSJ, nossa parceira, é referência no tratamento desse tipo de material.

 

Precisa de mais informações sobre o tratamento de chorume? Converse conosco, somos especialistas nesse tipo de tratamento.

 

CTA - Guia para destinação e tratamento de efluentes

Tópicos: chorume de aterro sanitário, política nacional de resíduos sólidos, adubo orgânico

Deixe seu comentário

 

Receba nossos artigos

Busca Por Artigos

biblioteca-digital-tera-ambiental
New call-to-action
New call-to-action
Descomplicando o tratamento de efluentes

Siga Nossas Páginas Nas Redes Sociais

Últimos Artigos

Artigos mais acessados